O Jiu-Jitsu como ferramenta para o tratamento de crianças com Autismo

Cerca de 2 milhões de brasileiros são portadores do TEA – Transtorno do Espectro do Autismo. Enquanto diversos estudos acontecem em torno da busca pela causa e cura do transtorno, uma das principais ferramentas para a melhora da qualidade de vida dos portadores é a prática de atividades físicas.

O jiu-jitsu entrou na vida de Gabriel Slowki, 4 anos, portardor do TEA, através da GB Bombinhas – SC. Antes de vestir o kimono pela primeira vez, com apenas 1 aninho de idade, seus pais notaram os primeiros sinais de que algo errado acontecia, “Ele iniciou as falas como todo bebê normal, mas próximo a 1 ano e meio de idade ele parou totalmente. A pediatra o encaminhou para avaliação clínica junto a Univali – universidade local que possui um programa do governo específico para tratamentos de pessoas com Autismo. Aaos 2 anos, já na escolinha, a professora notou que ele ficava só num cantinho, não interagia com as demais crianças”, contou, Regiane Slowik (mãe).

Os comportamentos atípicos para a idade junto ao diagnóstico da equipe SER – da Univali (universidade local), confirmaram o diagnóstico do TEA. Inicialmente a notícia assustou os pais, mas nada que os fizessem desistir de proporcionar uma vida melhor ao pequeno Gabriel, segundo Regiane, “Procuramos o jiu-jitsu, pois sabemos que é um esporte que tem muita disciplina e determinação. Principalmente por se tratar de uma luta de contato que ensina a interação entre os alunos. É isso o que estamos buscando para o nosso filho”.

Gabriel e seus pais na GB Pombinhas – SC

Embora o início tenha exigido um pouco mais de trabalho – pois nas primeiras aulas Gabriel ainda não se mantinha dentro dos tatames, hoje a realidade é outra. A disciplina já faz parte do comportamento do pequeno, assim como o jiu-jitsu se tornou uma das suas atividades mais queridas, como contou sua mãe, “Ao seu modo, ele faz alguns exercícios de aquecimento e adora “rolar” com o Professor Renato, participa do cumprimento final aos colegas de treino e já está arriscando um “oss””.

Diariamente, o progresso junto aos outros colegas de turma vem crescendo. O professor Renato Santos, faixa marrom, responsável pela unidade e professor, relata como é contribuir com a melhora de vida do Gabriel e de tantas outras crianças e adultos através da missão Jiu-Jitsu Para Todos:

“O apoio da família tem sido fundamental no desenvolvimento do Gabriel no Jiu-Jitsu. Vale destacar essa força especial oriunda dos pais, os dois estão sempre ali o acompanhando. Ele é uma criança muito amorosa e ativa. Ele frequenta a turma do Currículo Pequenos Campeões. Cada criança, assim como ele, é um mundo particular. O que procuramos fazer é respeitar seus limites individuais, mas sempre trabalhando a premissa de que somos uma equipe, um grupo, uma irmandade, introduzindo, assim, os valores e princípios que acreditamos na Gracie Barra. Gabriel só tem 4 anos, acreditamos muito na sua evolução. Afinal, estamos certos de que ele encontrou, através do Jiu-Jitsu, uma outra família, a Família Gracie Barra!”

Fonte: http://graciebarra.com.br

Seminário beneficente com Rodrigo Fajardo

Nesta terça-feira, dia 4 de agosto de 2015, acontecerá um seminário com o professor Rodrigo Fajardo.

Com muitos títulos na bagagem, como:

– Campeão Europeu

– 4x Campeão Sul-americano

– 5x Campeão Brasileiro

– 6x Campeão Sul-brasileiro

Com certeza é uma oportunidade imperdível de aprender muito e ainda ajudar quem precisa, pois a entrada será 1kg de alimento não perecível, e será aberto a todas as escolas.

 

 

 

 

Seminário com Hugo Britto

Nesta sexta-feira, dia 12 de junho, acontecerá um seminário com o Hugo Britto. Atleta da Gracie Barra – PE, que carrega na bagagem vários títulos, entre eles:

– Campeão Mundial

– 2x Campeão Brasileiro

– Campeão Sul-Brasileiro

– Campeão Brasileiro de Equipes.

Oportunidade imperdível de refinar e aprender técnicas novas.

Seminário aberto a todas as escolas Gracie Barra.

 

Você sabe o significado do triângulo da Gracie Barra?

Quem pratica pratica jiu-jitsu, seja pelo prazer daquele friozinho na barriga nas competições ou simplesmente por hobbie, sabe que as combinações das técnicas não são o único atrativo deste esporte. A arte suave ultrapassa as barreiras entre o físico, psíquico e o espírito. Chamamos esses 3 fatores de Triângulo GB.

São 3 pontos que se interligam não por formarem um simples triângulo, mas por serem as principais partes da vida de uma pessoa que o jiu-jitsu pode alcançar. O primeiro ponto – o físico, é o mais óbvio para aqueles que têm o primeiro contato com este esporte. Não é para menos, em uma aula de jiu-jitsu é possível queimar até 1000 calorias! Assim dá para entender o porque dos corpos sarados dos Gracie nos primórdios tempos do bjj, em uma época em que a “maromba” não era lá tão comum.

Menos generalizado ainda era a ideia do exercício mental. Com o passar dos anos e o crescimento global, o stress tornou-se um dos problemas mais comuns entre diferentes pessoas, independente da cidade ou país que vivam. No início dos anos 2000, indivíduos do mundo inteiro começaram a enxergar na pratica esportiva, muito além de uma formula que contribuísse na perda de peso, mas sim uma válvula de escape para as tensões do dia a dia. A partir daí, através da missão dada pelo Mestre Carlos Gracie Jr, em levar o Jiu-Jitsu Para Todos, nós da Gracie Barra expandimos os benefícios de um esporte – anteriormente limitado a competidores, para o advogado, pai de família, mãe, filhos, crianças e etc.

Emagrecer, não se tornar escravo do stress diário e cuidar do espírito. Quando falamos em espírito, não estamos nos referindo a algum tipo de formação religiosa dentro das nossas unidades, estamos falando do crescimento do caráter de cada um que pisa em nossos tatames. Mas como pode um esporte interferir na formação do lado humano de um ser? Muito mais do que ensinar ou aprender, todos os dias aprendemos com o nosso semelhante e com a vida.

No dojô, o nosso templo sagrado, disseminamos princípios que englobam a formação de um cidadão para viver bem em comunidade, são eles: o respeito, igualdade e irmandade. A formação do espírito dos nossos alunos é o principal fator pelo qual a Gracie Barra é tida como uma família. Ao redor do mundo, o mesmo triângulo que deu origem ao nosso escudo e dar formas ao nosso G, forma também uma legião de pessoas que muito além de praticantes da arte suave, se interligam como irmãos “de pano”.

Mestre Carlos Gracie Jr. foi condecorado com a faixa vermelha e branca.

No último final de semana (24 e 25 de abril), foi realizada a segunda edição da Conferência GB no Brasil, na cidade de Campinas – SP. A equipe fundada em 1986, com mais de 200 donos de escolas GB presentes, viu seu líder ser condecorado ao 8º grau da faixa preta – a faixa vermelha e branca.

Oficialmente reconhecida pela Federação Internacional de Jiu-Jitsu (IBJF), a faixa vermelha e branca é continuidade do caminho trilhado na preta. Após os 6 graus da faixa preta, algo que se resume a um período de meio século na graduação, alcança-se a faixa coral (preta e vermelha). Na graduação de cor rubro-negra, deve-se ficar o tempo mínimo de 7 anos. Vale ressaltar que o tempo de faixa é baseado na presença efetiva no tatame ou seja, sem essa de pegar a preta, ficar parado e mesmo assim ser graduado, como bem disse Carlos Gracie Jr na sua graduação, “Se você deu a faixa preta hoje e o cara passou 10 anos fora do jiu-jitsu, sem estar treinando, provando que você está ativo no jiu-jitsu, esses 10 anos não contam não. Se tu voltar daqui há 10 anos, você será um faixa preta lisa. O grau vem pra aquele cara que está ativo dentro do jiu-jitsu”.

Em termos de presença, o Mestre Carlinhos – como é carinhosamente chamado por seus pupílos, dispensa comentários. Sem tempo ruim, o filho do Grande Mestre Carlos Gracie treina diariamente, o que o faz ter um gás invejável e muita pressão nos rolas. Os dias para chegar à faixa vermelha e branca não foram contados pelo Mestre, algo visivelmente notado por seu semblante que transmitia tranquilidade para o momento. Diferente do que muitas pessoas fazem, contando as horas e os minutos para uma nova graduação. O tempo passou para o Mestre de forma natural entre treinos, lesões e aulas, hábitos normais para uma vida inteira dedicada à arte suave.

 Aos 59 anos de idade, Carlos Gracie Jr, filho do criador do jiu-jitsu brasileiro, cumpre mais um ciclo, celebrado por um encontro onde o propósito é dar continuidade ao seu trabalho. A velha faixa deu lugar a uma nova graduação e força a um velho sonho, em levar o Jiu-Jitsu Para Todos com uma escola GB em cada cidade do mundo. Cercado por seus seguidores, homens e mulheres dispostos a cumprir a missão para a realização de seu sonho, Carlinhos foi aplaudido fervorosamente e teve em sua cintura, pelas mãos do Mestre Maurício Robbe, duas novas cores. Para o fundador da GB, fica evidente que a nova faixa não significa somente o tempo em atividade na arte suave, mas, principalmente, o marco de 59 anos dedicados, exclusivamente, a um esporte que vem mudando dia após dia milhares de vidas pelo mundo.